Cabecera
ACCIONA > Quem somos > Mensagem do presidente

Mensagem do presidente

Capazes de transformar necessidades em oportunidades de negocio.

Quero, em primeiro lugar, compartilhar com todos vocês certo grau de otimismo em relação à recuperação econômica em curso no contexto internacional. No segundo semestre de 2013 a recessão na zona do euro se finalizou, o crescimento do PIB acelerou nos EUA e a maioria dos países emergentes se recuperou da turbulência sofrida durante o último verão. E no primeiro trimestre de 2014, a economia mundial cresceu a uma taxa anual de 3,2%. Em suma, está prevista uma aceleração moderada em 2014-2015 sustentada nas economias dos países desenvolvidos, que dependem, por sua vez, da combinação de políticas fiscais e monetárias e condições financeiras favoráveis. Na verdade, a previsão de crescimento do FMI para a economia mundial é de 3,6% este ano e 3,9% em 2015.

No entanto, para a ACCIONA, 2013 foi um ano marcado e condicionado pela reforma energética na Espanha, depois de vários processos de regulação, culminando com a Portaria Ministerial que estabelece novos parâmetros remunerativos das energias renováveis​​. Em seu conjunto, as diversas mudanças regulatórias que ocorreram durante 2012 e 2013 e foram aprovadas neste ano de 2014, ainda pendentes em algum detalhe concreto, terão um impacto anual estimado em cerca de 370 milhões de euros em nosso EBITDA para um ano padrão.

A ACCIONA reagiu com muito dinamismo, lançando um Plano de Ação para mitigar o impacto da mudança regulatória e manter sua linha de crescimento e criação de valor em Energia e Infraestrutura.

A este respeito, temos focado nossos esforços em dois pilares de ação:

  • O fortalecimento do nosso balanço e nossa posição de liquidez, reorientando o nosso modelo de negócio para crescer de forma menos intensiva em capital próprio, com fontes de financiamento alternativas como a união com parceiros financeiros e o acesso aos mercados de capitais.
  • Redefinindo o modelo de negócio e criando uma grande divisão de Infraestruturas, que inclui a os negócios de construção, água e serviços da Companhia, como iniciativa estratégica chave, assim como para obter sinergias de receita e custo. O objetivo final é melhorar e otimizar a nossa plataforma para crescer de forma sustentável ao longo do tempo em nossos principais negócios de Infraestruturas e Energia, onde temos mais de um século de experiência e somos líderes mundiais.

Alinhados com esses objetivos, estão sendo tomadas inúmeras decisões que melhoraram a operacionalidade e a racionalização de nossa empresa:

  • Quanto a vendas de ativos, já foram realizados  desinvestimentos de ativos renováveis  ​​na Alemanha e na Coréia, de uma concessão hospitalar no Canadá e de um edifício de nosso patrimônio imobiliário (todos por um valor aproximado de 370 milhões de euros).
  • Foi realizada a primeira emissão de bônus convertível (243 milhões de euros).
  • Além disso, como medida sem precedentes e de acordo com uma política conservadora e de austeridade geral, foi decidido que não se distribuirá dividendo dos resultados do exercício de 2013.
  • Cabe destacar também os progressos na busca de um sócio para a ACCIONA Energía Internacional, assim como os planos de reestruturação e de redução e custos.

Ainda assim, a ACCIONA encerrou o ano com uma cifra de negócio de 6.607 milhões de euros – 5,8% abaixo do ano anterior – e com um EBITDA de 1.228 milhões de euros – 14,1% inferior ao do exercício anterior às contínuas reformas regulatórias foram saldadas com um impacto negativo de 257 milhões de euros em EBITDA para a nossa companhia em 2013.

Esta é a primeira vez desde que a ACCIONA é uma empresa cotada, que encerramos um ano com perdas (- 1.972 milhões de euros), devido, fundamentalmente às fortes provisões que tivemos que adotar no ano de 2013 para fazer frente às mudanças regulatórias em matéria energética. Excluindo o impacto regulatório, o EBITDA do grupo teria crescido 4% e o resultado ordinário antes de impostos teria ficado em 17%.

Em 2013, a ACCIONA Energía contribuiu com 80% do EBITDA do grupo com 979 milhões de euros. Foram instalados 105 MW eólicos, 75 MW no mercado internacional, elevando a capacidade para 8.480 MW, consolidando nossa posição de liderança no mercado.

Em termos de infraestruturas, a promoção do negócio de construção internacional, que responde por 54% da carteira em 2013, contribuiu para que o volume de negócios da ACCIONA Infraestructuras chegasse a 2.733 milhões de euros. Nosso negócio Água registrou vendas e EBITDA de 585 e 54 milhões de euros respectivamente. A carteira de ​​água a partir de dezembro 2013 ascendeu a 10.730 milhões de euros.

Em relação ao volume de investimentos, a Companhia manteve uma política seletiva em 2013, que resultou em um investimento de 381 milhões de euros, dos quais se destacam os 205 milhões de euros investidos na ACCIONA Energía, e em Infraestruturas no valor de 98 milhões de euros, principalmente no negócio de concessões.

A geração de caixa de nossas empresas permitiu que fechássemos o ano de 2013 com uma dívida financeira líquida de 6,715 milhões de euros, 10% inferior a de dezembro de 2012. A empresa reforçou a sua estrutura financeira e posição de caixa, - incluindo linhas de crédito não disponíveis - até atingir cerca de 2.600 milhões de euros. No ambiente atual, destacamos que a nossa empresa não enfrenta qualquer refinanciamento significativo nos próximos anos e que 67% da nossa dívida financeira bruta corresponde à dívida sem recurso.

Sendo consequentes com o compromisso de prestação de contas aos nossos acionistas e outras partes interessadas, além da informação econômica, vamos apresentar este ano, pela terceira vez, o Relatório de Sustentabilidade para aprovação na próxima Assembleia Geral de Acionistas.

Entre os avanços em nossas práticas de sustentabilidade durante 2013, eu gostaria de mencionar alguns dos destaques. Durante o ano, foi aprovado o Livro de Políticas da ACCIONA refletindo os compromissos e princípios de ação aplicáveis às empresas do grupo, em questões econômicas, sociais e ambientais.

Os nossos esforços na prevenção de riscos, resultaram em que não houve acidente fatal com  nenhum funcionário da empresa. Além disso, nós estendemos nossas práticas de sustentabilidade ao nível das nossas operações internacionais, entre as quais destacamos: Gestão do Impacto Social, a implementação desta metodologia em países como Brasil, Marrocos e África do Sul; e em relação aos processos de inovação, apresentações em dez novos países, que representam 28% do total.

Em relação ao meio ambiente, evitamos a emissão para a atmosfera de mais de 15 milhões de toneladas de CO2; e reduzimos em 21% as toneladas de CO2 emitidos, e 15% o consumo de energia em comparação com o ano passado.

Em 2013, a Fundação ACCIONA Microenergía seguiu consolidando o programa Luz em Casa, no Peru e no México. Como resultado direto, 1.700 famílias e 17 centros comunitários no Peru e 180 famílias no México, acessaram pela primeira vez a uma melhoria nas suas condições de vida por meio de energia limpa.

Todas essas ações de sustentabilidade são reconhecidas pelo debate global relacionado com a sustentabilidade, através de nossos membros do Conselho Consultivo da Energia Sustentável para todos, a participação nos Comités de Direção do Pacto Global LEAD e da iniciativa Caring 4 Climate, todos no marco das Nações Unidas.

Na Comunidade Europeia, junto aos Corporate Leaders Group on Climate Change, participamos da Cúpula Ministerial Europeia sobre Crescimento Verde. Além disso, somos a única empresa espanhola envolvida na lista anual das 100 Empresas Globais Mais Sustentáveis do Mundo de 2014.

Além disso, validamos a nossa presença no DJSI pelo sétimo ano consecutivo, desta vez no setor de Concessionárias de Energia Elétrica e fomos incluídos nos índices Iberia 125 Climate Performance Leadership e Climate Disclosure Leadership elaborados peki CDP.

Estes últimos anos de crise têm servido para reforçar o nosso modelo de negócio como um modelo sólido com posicionamento global e visão de longo prazo, o que nos permitiu superar com êxito as dificuldades econômicas sem precedentes em nossa história corporativa.

Cada dia o desafio de produzir bens e serviços para uma população em constante crescimento é mais urgente. Além disso, o espaço social entre as sociedades desenvolvidas e em desenvolvimento, não diminui à medida do que seria desejável para manter o equilíbrio geoestratégico e social em um mundo cada vez mais interligado. Diante desse dilema, o trabalho da ACCIONA como promotora de um novo  modelo energético, e provedora de Infraestruturas para um desenvolvimento econômico e social dos países onde operamos, é cada vez mais necessário.

A ACCIONA é hoje, portanto, uma companhia com um modelo de negócio inquestionável, e conta com o compromisso e respaldo de seus empregados, seus acionistas, seus clientes, e seus sócios. Garanto a vocês que não mediremos esforços para assegurar que a ACCIONA não só supere os desafios atuais, senão que saia fortalecida e se torne o principal referente nos mercados onde opera.


José Manuel Entrecanales Domecq,Presidente da ACCIONA

© ACCIONA S.A.